sábado, 26 de setembro de 2015

Conto: Sonho De Uma Noite.


— Mãe? — Pergunto já sabendo a resposta. 

Nada. Minha mãe não está em casa, assim creio. À chamo e não recebo resposta alguma. 

— Pai? — Tento, e novamente sou respondido pelo silêncio.

Trancado dentro do quarto eu apenas ouvia o som da forte chuva que ocorria lá fora. A luz havia acabado minutos atrás, e sem ela eu apenas via sombras. Mas não era isso que me incomodava. O fato da casa estar silenciosa era o que de fato incomodava-me. Entretanto não demora para esse silencio ser rompido. Ouço sons de passos e uma voz chorosa vindo em minha direção. 

— Caio, onde você está? — Diz essa voz, e agora eu a reconheço. Era a voz de Gertrude, minha vizinha. 

Permaneço em silencio. Tudo isso é muito estranho. Onde meus pais estão? E o que Gertrude está fazendo aqui? Fora os passos de Gertrude locomovendo-se pela casa, não há mais nenhum som. Nem de dentro de casa e muito menos vindos da rua. 

A porta de meu quarto abre-se, o que é muito estranho pois tenho certeza que eu a havia trancado. Gertrude ligeiramente entra no quarto e fecha a porta. Vejo com grande dificuldade o seu corpo em forma de sombra. Ao que parece ela está tremendo muito e vestindo uma camisola branca muito larga. A chuva lá fora continua, rebelde e descontrolada. 

Ao cair um raio o ambiente ilumina-se por alguns segundos. Mas nesses temíveis segundos consegui observar o rosto de Gertrude, e a visão proporcionada não foi nada agradável… Minha vizinha, ou o que restava dela, estava em carne viva, manchada de sangue. Passei por ela, abri a porta e corri em disparada para a rua.

Em meio a lagrimas de desespero eu me pergunto: O que esta acontecendo?. O pânico não me deixa pensar. A consciência da lugar à adrenalina e assim corro em disparada até avistar o único prédio com luz. A biblioteca, que certamente deveria ter um gerador próprio. Não hesito em entrar, afinal que mal poderia haver em uma biblioteca? 

O lugar estava praticamente vazio, com exceção de uma pessoa ou outra parada aleatoriamente. A chuva, com toda sua ira, havia me molhado dos pés a cabeça. A bibliotecária encara-me e sua raiva é visível. Sabendo que ela iria mandar eu me retirar, corro para o fundo da biblioteca. Eu precisava pensar e colocar as coisas no lugar. 

Quando finalmente eu havia despistado a bibliotecária sento no chão. Abraçado aos joelhos, com as lagrimas escorrendo, sentindo frio e tremendo, apenas sinto que algo de ruim está por vir. 

— SAIA DAQUI IMEDIATAMENTE SEU DELINQUENTE! — Berra a bibliotecária, me pegando de surpresa. 

—D-D-Desculpa… — Falo levantando-me. 

E quando eu receberia, provavelmente, mais um xingão o chão começa a tremer. Os livros da prateleira caem, juntamente com o pouco de pessoas que lá estavam, ao chão. O tremor não demora a passar, todos estão confusos. Olho pela janela e vejo uma estranha luz cortar a negritude do céu noturno. 

O objeto, de aparência metálica, emitia uma forte luz vermelha. E estranhamente aquela luz me provocava, eu precisava segui-la. Um impulso tomou conta de mim e novamente corri em disparada para a rua. Desta vez seguindo a rastro vermelho no céu. Percebi agora que eu não era o único, diversas pessoas corriam para a mesma direção. 

Por mais que soubesse que eu deveria correr para a direção contraria, meu corpo parecia não responder a essas ordens. A única meta imposta i era chegar o mais rapidamente à essa nave. E era uma nave. Sem saber o porquê eu tinha certeza que era de fato uma nave. 

A nave pousou, a luz vermelha continuava mais forte do que nunca. A chuva agora havia cessado. Além do imenso brilho vermelho emitido pela nave, a lua também estava vermelha que nem sangue, brilhando intacta lá em cima. 

Eu me encontrava em um estado de alienação: Não sabia a real razão de estar indo em direção da nave. Não sabia onde meus pais estavam. Não sabia o que havia acontecido com Gertrude. O fato era que eu estava entorpecido. Meus pensamentos não estavam desenvolvendo-se. E quando eu tentava botar em ordem meus pensamentos, uma forte dor de cabeça tomava conta de mim.

Finalmente o grupo chegou à nave. A construção era incrivelmente desenvolvida. Suas proporções erma gigantescas. As portas abriam-se lentamente. Segundo após segundo víamos cada vez mais dos dois corpos que estavam atrás daquela porta. Até agora víamos os pés e as canelas, de aparência normal, vestindo o que parecia ser um macacão branco e simples. 

O grupo, em total estado de alienação, compartilhava uma única emoção: Ansiedade. Todos queríamos ver o mais rápido possível os seres que lá estavam. O sentimento, e os pensamentos de todos eram um. 

A porta cobria apenas a parte de cima dos corpos agora. O rosto estava prestes a ser revelado! Os seres donos de tal nave e responsáveis por tal estado de alienação mutua em poucos minutos seriam descobertos. Mas o que aconteceria após isso?  Automaticamente todos prendemos a respiração…

— Caio! Acorde! Eu não vou chamar mais uma vez! — Interrompeu uma voz vindo de longe. 

— O que mãe? — Perguntei confuso. 

— Você tem aula! Esqueceu disso? Ande, você já está atrasado. — Ralhou minha mãe.

— Então foi tudo um sonho?!… — Perguntei para mim mesmo através de um sussurro. 

~//~

Bom, então... Resolvi escrever alguma coisa hoje e o resultado foi isso. Será que posto uma continuação, talvez? haahahah. Enfim, eu estava escrevendo e fiquei com vontade de postar esse texto no blog, espero não me arrepender disso amanhã.... 

8 comentários:

  1. Nossa eu estava com a adrenalina a mil aqui, aí teve esse final 😭 Parabéns pelo conto, muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Heuheuheurheu Era esse o objetivo! Mas talvez pode não ter sido apenas um sonho? Quem sabe... Mas enfim, obrigado mesmo!

      Excluir
  2. Hahahaha... que virada no final!
    Conseguiu me prender do início ao fim. Se tiver continuação quero ler!
    Ficou muito bom o seu texto.
    Eu também escrevo e gosto de postar as histórias no Wattpad:
    Meu perfil de contos: https://www.wattpad.com/user/helainaideas
    Meu perfil de fanfics: https://www.wattpad.com/user/moonyfanfic

    Passe por lá pra ler! Espero que você goste! ;)
    Beijussss;
    http://hipercriativa.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/BlogMenteHipercriativa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obah! Obrigado Pela Visita E Pelo Comentário :) Enfim... Talvez Eu Faça Uma Continuação, Já Estou Até Pensando No Que Talvez Possa Ocorrer Futuramente, Mas Enquanto Isso, Sempre Terá As Resenhas.

      E Pode Deixar Que Já Já Dou Uma Conferida Nos Teus Contos Do Wattpad. Té Mais O/

      Excluir
  3. Nossa, amei !!
    Escrita ótima, parabéns !
    A leitura me prendeu do começo ao fim e esse final ♡ !
    Bjs !

    Blogencantoporlivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super obrigado! uheueeuheuh

      Mas enfim, voltei sempre o///

      Excluir
  4. Nossa, amei !!
    Escrita ótima, parabéns !
    A leitura me prendeu do começo ao fim e esse final ♡ !
    Bjs !

    Blogencantoporlivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Nossa, amei !!
    Escrita ótima, parabéns !
    A leitura me prendeu do começo ao fim e esse final ♡ !
    Bjs !

    Blogencantoporlivros.blogspot.com

    ResponderExcluir

 

Copyright @ 2016 Decidindo-se .

Traduzido Por: Templateism