quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Resenha: Oníria - B. R. Parry

Existe um mundo de cuja existência ninguém suspeita. Um lugar, porém, para onde todos nós viajamos a cada noite. Um universo em que tudo é possível. Oníria, o Reino dos Sonhos. Eliott, de doze anos, aparentemente é um menino como outro qualquer. Até o dia em que sua avó lhe dá uma ampulheta mágica que lhe permite viajar a um mundo tão incrível quanto perigoso: Oníria, o Reino dos Sonhos. Um mundo onde milhares de personagens e universos ganham vida, assim como as coisas mais loucas e assombrosas sonhadas todas as noites pelos seres humanos. Um mundo no qual o espírito do pai de Eliott, mergulhado em um sono misterioso, estaria preso há vários meses. Estudante comum de dia, mas um poderoso Criador à noite, Eliott pode fazer aparecer tudo o que deseja pelo simples e imenso poder de sua imaginação. Explorando Oníria para salvar seu pai, Eliott se verá confrontado com seu extraordinário destino: ele descobrirá que é o Enviado, encarregado de salvar o reino, ameaçado pela sangrenta revolução dos pesadelos.
A história gira em torno de Eliott que com apenas 5 anos perdeu a mãe, que morreu misteriosamente enquanto dormia, sem motivo aparente. E agora, com 12 anos, encontra-se em uma situação ainda mais turbulenta. Seu pai está em coma há 6 meses, e assim como sua mãe, também sem nenhum motivo aparente. Ele está internado em um dos melhores hospitais da região, mas nem mesmo os médicos de lá nutrem esperança em uma possível recuperação. Como se já não bastasse, ele não possui um bom relacionamento com Cristine, sua madrasta, e ainda sofre bullying na escola. 


Eliott vai mal nas provas, tem muitos desentendimentos com os colegas e não possui o apoio de Cristine. Mas isso é o de menos, ele preocupa-se mesmo é com a saúde de seu pai. Tudo era melhor enquanto ele estava acordado, mas os médicos já disseram que o tempo está acabando. O corpo desacordado está perdendo as forças dia-após-dia e que em breve ele ficaria fraco de mais para poder sustentar-se, mesmo com todos os aparelhos já instalados para facilitar essa tarefa. Momentos de muita dor e sofrimento que podiam ser comparados com pesadelos, mas antes fosse, Eliott os enfrentaria com extrema facilidade com os ensinamentos que Mamilou (como chamava a sua avó) havia lhe passado.


Quando a mãe de Eliott morreu, ele passou a ter terríveis pesadelos enquanto dormia. Adquirindo uma fobia pelo sono, mas sua vó, que quando mais jovem, teve o mesmo problema, o treinou para controlar os pesadelos. Ensinou-o que enquanto ele estava sonhando, ele poderia usar sua criatividade para fazer o que quiser, inclusive, destruir os monstros que o atormentam. E para acalma-lo ela contava diversas histórias de um maravilhoso mundo de faz de contas, que ela e ele chamavam por Oníria, o mundo dos sonhos.


Acontece que tudo isso era na verdade um treinamento. Mamilou suspeitava que o pai de Eliott não tinha nenhum problema de saúde e sim, alguma complicação no mundo dos sonhos, em Oníria. Que era um mundo real onde tudo que é ou foi sonhado está presente lá. Inclusive, os sonhadores. Que andam e sonham em seus territórios. Logo após de Mamilou obter a confirmação de que o seu filho estava realmente preso em Oníria, Cristine decidiu seguir em frente. Tomando a cruel decisão de mudar de cidade e deixa-lo sozinho. Eliot, teimoso como sempre, não quis aceitar de jeito nenhum. Mamilou também tentou intervir em defesa a seu neto e ao seu filho, porém foi expulsa da residência de Cristine. Porém, antes de partir, Mamilou contou todas as suas suspeitas para Eliott e o entregou uma pingente em forma de ampulheta dizendo que enquanto ele estivesse usando a ampulheta, ao dormir ele seria transportado à Oníria, e ter consciência de tudo, diferente dos sonhadores comuns, que só sonham e não tem controle nenhum. Eliott, achou tudo isso uma loucura, mas sua Mamilou não brincaria com um assunto tão sério. Ela não diria que o único método de salvar seu pai é ir à Oníria e falar com O Mercador de Areia.


Entretanto, toda essa jornada não vai ser tão fácil quanto parece. Para encontrar o Mercador de Areia, Eliott terá que passar por muitos perigos, incluindo uma rainha muito louca, bruxas, dragões e muitos pesadelos. Tudo muito característico no mundo dos sonhos. E além de a missão de salvar seu pai, ele se verá no meio de uma imensa confusão política no reino.


Oníria cumpre bem com o prometido. Ótimo para quem está começando a ler ou está a procura de uma trama mais leve, porém, ainda assim, envolvente. Minha única queixa é que o livro teve um daqueles finais sem conclusão, com a autora interrompendo a história em um momento bem crítico dela, provavelmente deixando para ser retomada no segundo livro da trilogia, que infelizmente ainda não foi lançado. Em questões de desenvolvimento dos personagens, achei em muitas partes o Eliott um personagem muito chato e revoltado, mesmo que ele tenha motivos para isso. E mesmo a Cristine não sendo uma das melhores madrastas, não consegui despertar ou ter alguma antipatia por ela. Já os habitantes de Oníria foram os melhores. Muito bem criados e arquitetados. Já estou doido para o próximo livro!

3 comentários:

  1. Oi Vini,

    Nossa, que livro legal! Adorei a premissa da ampulheta que leva ao mundo dos sonhos, que simbologia mais bonita! Fiquei muito interessada neste livro, pois achei a premissa dele bastante diferente do que vemos por aí.

    Um beijo,
    Ruh Dias
    perplexidadesilencio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Não dava muita fé para este livro, mas curti a premissa.
    Beijos
    Estilhaçando LivrosCantar em Verso

    ResponderExcluir
  3. Oi, Vinicius! Tudo bem?
    Achei bem legal a premissa e já estou colocando na minha lista de "quero ler" kkkk
    Achei bem interessante essa temática de mundo dos sonhos e tal, isso me despertou muito a vontade.
    Achei a capa muito bonita, mas acho que a pessoa na capa não tem 12 anos como o personagem rsrsrs.
    Abraços!

    -Ricardo, Blog Lapso de Leitura

    ResponderExcluir

 

Copyright @ 2016 Decidindo-se .

Traduzido Por: Templateism